TEXTOS, RESUMOS E DOCUMENTOS DA HISTÓRIA DO BRASIL


Lei de Terras de 1850 no Brasil - o que foi, resumo, objetivos

O que foi, resumo, história, consequências da Lei de Terras de 1850 no Brasil, objetivos, Segundo Reinado

Lei de Terras de 1850: manutenção da concentração agrária
Lei de Terras de 1850: manutenção da concentração agrária

 

O que foi

 

A Lei de Terras, sancionada por D. Pedro II em setembro de 1850, foi uma lei que determinou parâmetros e normas sobre a posse, manutenção, uso e comercialização de terras no período do Segundo Reinado.

 

Objetivos da Lei de Terras

 

- Estabelecer a compra como única forma de obtenção de terras públicas. Desta forma, inviabilizou os sistemas de posse ou doação para transformar uma terra em propriedade privada.

 

- O governo imperial pretendia arrecadar mais impostos e taxas com a criação da necessidade de registro e demarcação de terras. Esses recursos tinham como destino o financiamento da imigração estrangeira, voltada para a geração de mão-de-obra, principalmente, para as lavouras de café. Vale lembrar que o tráfico de escravos já era uma realidade que diminuía cada vez mais a disponibilidade de mão-de-obra escrava.

 

- Dificultar a compra ou posse de terras por pessoas pobres, favorecendo o uso destas para fins de produção agrícola voltada para a exportação. Este objetivo foi alcançado pelo governo, pois esta lei provocou o aumento significativo nos preços das terras no Brasil.

 

- Favorecer os grandes proprietários rurais, que passavam a ser os únicos detentores dos meios de produção agrícola, principalmente a terra, no Brasil.

 

- Tornar as terras um bem comercial (fonte de lucro), tirando delas o caráter de status social derivado da simples posse.

 

Consequências

 

- Possibilitou a manutenção da concentração de terras no Brasil.

 

- A Lei de Terras regulamentou a propriedade privada, principalmente na área agrícola do Brasil.

 

- Aumentou o poder oligárquico e suas ligações políticas com o governo imperial.

 

- Dificultou o acesso de pessoas de baixa renda às terras. Muitas perderam suas terras e sua fonte de subsistência. Restou a estas apenas o trabalho como empregadas nas grandes propriedades rurais, aumentando assim a disponibilidade de mão-de-obra.

 

- Aumentou os investimentos do governo imperial na política de estimulo à entrada de mão-de-obra estrangeira, principalmente europeia, no Brasil.

 

- Favoreceu a expansão da economia cafeeira no Brasil, na medida em que a Lei de Terras favoreceu a elite agrária brasileira, principalmente da região Sudeste.


 

Bibliografia Indicada:

 

A privatização das terras rurais

Autor: Forster, Germano de Rezende

Editora: Manole

Temas: Lei de Terras, Direito Agrário, História do Brasil Imperial

Impressão Google+


Os textos deste site não podem ser reproduzidos sem autorização de seu autor. Só é permitida a reprodução para fins de trabalhos escolares.
Copyright © 2005 - 2017 História do Brasil.Net Todos os direitos reservados.